Thursday, April 12, 2012

Quinta-feira da oitava de Páscoa - A paz, dom do Ressuscitado

Jesus apresentou-se no meio deles de disse-lhes: “A paz esteja convosco!” (Lc 24-35-48)

O grande dom do Ressuscitado aos seus discípulos é a paz. Várias vezes, na aparição de Cristo Ressucitado aos apóstolos, apresenta-se como paz.

Paz que significa tranquilidade, ausência do medo e do temor. Os apóstolos estavam assustados com tudo o que estava acontecendo, pois pensavam que era um espírito.

Tenhamos o nosso coração em paz, para que sem temor e na liberdade acolhamos a mensagem da alegria de Cristo Ressuscitado!

Wednesday, April 11, 2012

Quarta-feira da Oitava da Páscoa - Fica connosco pois a noite vai caindo...


"Fica connosco, pois a noite vai caindo e o dia já está no ocaso" (Lc 24,13-35)

Mais um passo no nosso itinerário pascal.
O evangelho de hoje apresenta-nos a fabulosa narrativa dos discípulos de Emaús. É a caminhada de cada um de nós, marcada algumas vezes pela desilusão e pessimismo que não nos permite olhar mais longe.
É nesse sentido que Jesus, o Ressuscitado, companheiro de viagem abre o nosso coração amargurado com a Palavra. E o cume dessa caminhada é o encontro com Ele na fracção do pão, devolvendo a esperança e a alegria a estes dois discípulos.
Esta pode ser a parábola das nossas vidas, a parábola da devolução do sentido à nossa caminhada quotidiana.

Monday, April 09, 2012

Terça-feira na Oitava da Páscoa - Vi o Senhor!


“Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos: «Vi o Senhor!» E contou o que Ele lhe tinha dito.” (Jo 20,11-18)


A experiência da Ressurreição de Jesus não é somente uma experiência espiritual, mas algo de concreto e visível.

Maria Madalena passa por esse processo, ela que conheceu Jesus durante a sua vida, o acompanhou no seu ministério e nutria de uma grande amizade por Ele. A sua angústia era saber onde tinham posto o corpo de Jesus, que tinha desaparecido do sepulcro… “não sei onde o puseram”. A descoberta de que Jesus não estava morto mas que tinha ressuscitado transforma-a totalmente… é uma experiência que não pode deixar de testemunhar.


A Ressurreição de Cristo é para nós uma realidade pois somos testemunhas dessa mesma ressurreição. “Vimos” o Senhor presente na Palavra e nos Sacramentos. Anunciemo-lo ao mundo!

Segunda-feira na oitava da Páscoa - Testemunhas da alegria


“Maria Madalena, e a outra Maria, que tinham ido ao túmulo do Senhor afastaram-se a toda a pressa, cheias de temor e de grande alegria, e correram a dar a notícia aos discípulos.” (Mt 28,8-15)


A Páscoa é o tempo do testemunho, do anúncio. Estas mulheres, depois da experiência do Ressuscitado voltam cheias de entusiasmo e alegria. E não guardam esta notícia para si, mas espalham-na por todos aqueles que conhecem.

Somos também hoje interpelados a ser testemunhos, anunciadores de boas notícias.

Anunciar Cristo Ressuscitado deve ser para nós um motivo de alegria!

Sunday, April 08, 2012

Domingo de Páscoa - Deus venceu a morte!

Cristo Ressuscitou!! Aleluia!

Hoje é dia de Páscoa... celebramos a Ressurreição de Cristo!
É o dia do testemunho do Ressuscitado, da alegria da proclamação da nossa fé. Cristo ressuscitou para dar-nos uma vida em plenitude... para aspirarmos a algo mais que a nossa mera existência biológica.
Não deixemos calar em nós esta enorme alegria... partilhemos esta mensagem sendo portadores da esperança e da Paz.

Boas Páscoas para todos... que Cristo seja a vossa alegria!!!

Saturday, April 07, 2012

Sábado Santo - Tempo do silêncio

De uma antiga homilia de Sábado Santo (sec. IV)

Um grande silêncio reina hoje sobre a terra; um grande silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei dorme; a terra estremeceu e ficou silenciosa, porque Deus adormeceu segundo a carne e despertou os que dormiam há séculos. Deus morreu segundo a carne e acordou a região dos mortos.

Vai à procura de Adão, nosso primeiro pai, a ovelha perdida. Quer visitar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte. Vai libertar Adão do cativeiro da morte, Ele que é ao mesmo tempo seu Deus e seu Filho.

Entrou o Salvador onde eles estavam, levando em suas mãos a arma vitoriosa da cruz. Quando Adão, nosso primeiro pai, O viu, batendo no peito, cheio de admiração, exclamou para todos os demais: «O meu Senhor esteja com todos». E Cristo respondeu a Adão: «E com o teu espírito». E tomandoo pela mão, levantou-o dizendo: «Desperta, tu que dormes; levanta-te de entre os mortos e Cristo te iluminará».

«Eu sou o teu Deus que por ti me fiz teu filho, por ti e, por estes que nasceram de ti; agora digo e com todo o meu poder ordeno àqueles que estão na prisão: ‘Saí’; e aos que jazem nas trevas: ‘Vinde para a luz’; e aos que dormem: ‘Despertai’».

«Eu te ordeno: Desperta, tu que dormes, porque Eu não te criei para que permaneças cativo no reino dos mortos. Levanta-te de entre os mortos; Eu sou a vida dos mortos. Levanta-te, obra das minhas mãos; levanta-te, minha imagem e semelhança. Levanta-te, saiamos daqui; tu em Mim e Eu em ti, somos um só.

«Por ti Eu, teu Deus, Me fiz teu filho; por ti Eu, o Senhor, tomei a tua condição de servo; por ti Eu, que habito no mais alto dos Céus, desci à terra e fui sepultado debaixo da terra; por ti, homem, Me fiz homem sem forças, abandonado entre os mortos; por ti, que saíste do jardim do paraíso, fui entregue aos judeus no jardim e no jardim fui crucificado.

«Vê no meu rosto os escarros que por ti suportei, para te restituir o sopro da vida original. Vê no meu rosto as bofetadas que suportei para restaurar à minha semelhança a tua imagem corrompida.

«Vê no meu dorso os açoites que suportei, para te livrar do peso dos teus pecados. Vê as minhas mãos fortemente cravadas à árvore da cruz, por ti, que outrora estendeste levianamente as tuas mãos para a árvore do paraíso.

«Adormeci na cruz, e a lança penetrou no meu lado, por ti, que adormeceste no paraíso e formaste Eva do teu lado. O meu lado curou a dor do teu lado. O meu sono despertou-te do sono da morte. A minha lança susteve a lança que estava dirigida contra ti.

«Levanta-te, vamos daqui. O inimigo expulsou-te da terra do paraíso; Eu, porém, já não te coloco no paraíso, mas no trono celeste. Foste afastado da árvore, símbolo da vida; mas Eu, que sou a vida, estou agora junto de ti. Ordenei aos querubins que te guardassem como servo; agora ordeno aos querubins que te adorem como a Deus, embora não sejas Deus.

«Está preparado o trono dos querubins, prontos os mensageiros, construído o tálamo, preparado o banquete, adornadas as moradas e os tabernáculos eternos, abertos os tesouros, preparado para ti desde toda a eternidade o reino dos Céus».

Friday, April 06, 2012

Sexta-feira Santa II - Por amor

video

Sexta-feira Santa - A vitória do Amor


"Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?" (Sl 21)

Hoje é o chamado dia da Paixão de Cristo... da sua morte na Cruz.
A palavra "Paixão" tanto pode estar ligada à dor e sofrimentos de Cristo e que a comunidade cristã hoje vive de uma forma expressiva, como também ao sentido do percurso de Cristo.
A razão da sua entrega, da doação da sua vida foi sobretudo uma questão de "Paixão" pelo Pai, de amor sem limites, que 0 leva a entregar-se totalmente.

É neste sentido que o grito de Jesus sobre a cruz (Meu Deus, porque me abandonaste?) não seja um grito de desespero e revolta.
Ao formular esta prece, Jesus, como judeu que era estava a invocar e a rezar o salmo 21. Este salmo, começando por ser um grito do sofrimento humano a Deus, finaliza numa tonalidade de esperança e confiança em Deus.
Por isso, a prece de Jesus sobre a cruz é acima de tudo o grito da esperança em Deus, que nunca abandona a condição humana.

Disponibilizo o salmo 21 para que o possas ler com calma... identifica Jesus nele, identifica-te nesse salmo...

2Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes? *
Como estais longe da minha oração, †
das palavras do meu lamento?
3Meu Deus, clamo de dia e não me respondeis, *
clamo de noite e não me prestais atenção.

4Vós, porém, habitais no santuário, *
sois a glória de Israel.
5Em Vós esperaram nossos pais, *
confiaram e Vós os libertastes.
6A Vós clamaram e foram salvos, *
confiaram em Vós e não foram confundidos

7Eu, porém, sou um verme e não um homem, *
o opróbrio dos homens e o desprezo da plebe.
8Todos os que me vêem escarnecem de mim, *
estendem os lábios e meneiam a cabeça:
9 «Confiou no Senhor, Ele que o livre, *
Ele que o salve, se é seu amigo».

10Fostes Vós que me tirastes do seio materno, *
sois Vós o meu defensor desde o regaço de minha mãe.
11A Vós fui entregue logo ao nascer, *
desde o seio materno sois o meu Deus.
12Não Vos afasteis de mim, porque estou atribulado *
e não há quem me ajude.

13Manadas de touros me cercaram, *
touros de Basã me rodeiam.
14Abrem as fauces contra mim, *
como leão que devora e ruge.

15Sou como água derramada, *
desconjuntam-se todos os meus ossos.
O meu coração tornou-se como cera *
e derreteu-se dentro do meu peito.
16A minha garganta ficou seca como barro cozido †
e a minha língua colou-se ao céu da boca. *
Assim me reduzistes ao pó do túmulo.

17Matilhas de cães me rodearam, *
cercou-me um bando de malfeitores.
18Trespassaram as minhas mãos e os meus pés, *
posso contar todos os meus ossos.
19Eles, porém, contemplaram e observaram-me. *
Repartiram entre si as minhas vestes †
e deitaram sortes sobre a minha túnica.

20Mas Vós, Senhor, não Vos afasteis de mim, *
sois a minha força, apressai-Vos a socorrer-me.
21Livrai a minha alma da espada *
e das garras dos cães a minha vida.
22Salvai-me das fauces do leão *
e dos chifres do búfalo livrai este infeliz.
23Hei-de falar do vosso nome aos meus irmãos, *
hei-de louvar-Vos no meio da assembleia.

Thursday, April 05, 2012

Quinta-feira Santa - Amou-os até ao extremo

“… amou-os até ao extremo.” (Jo 13,1-15)

Jesus não ensina a ser equilibrado, moderado, sendato.

O amor que Jesus vive, oferece e propõe é desiquilibrado, ilimitado.

Dá tudo sem esterar nada em troca.

Hoje, na Última Ceia define-se o que é o amor.

No gesto de lavar os pés, no Corpo oferecido na Eucaristia, Jesus marca a sua posição: a medida do amor é amar sem medida.

Quando me sento à tua mesa,

descubro qeu Tu estás aí para mim.

Oiço a tua voz dizer-me: Vinde todos,

os ferido pela vida, os cansados

e oprimidos por valores mesquinhos,

os que chorais, os que desanimais.

A todos nós, Tu ofereces o Pão e o Vinho

que são a tua vida oferecida.

In Rezar na Quaresma – Ano B, pp.88-89, Edições Salesianas.

Wednesday, April 04, 2012

Semana Santa - Quarta-feira - Vender Jesus

“Eles garantiram-lhe trinta moedas de prata” (Mt 26.14-23)

Judas recusa Cristo. E vai procurar um substituto que preencha o vazio que ficou no seu coração. E fica com trinta moedas de prata.

Pode este dinheiro saciar a sua fome de amor e de sentido?

O pecado é isto: procurar alegria fora do amor, fora de Deus.

Quando não ouço a tua voz, Jesus…

quando não ponho em prática a tua Palavra…

quando me afasto de Ti…

quando recuso ser-Te fiél…

fico com as mãos cheias com trinta moedas.

E com o coração vazio e dorido.

In Rezar na Quaresma – Ano B, pp. 86-87, Edições Salesianas.

Tuesday, April 03, 2012

Semana Santa - Terça-feira - Atraiçoar Jesus


“E molhando o pão, deu-o a Judas…” (Jo 13,21-33.36-38)


É a mais dolorosa das traições: a de um amigo.

Para aquele que amamos, baixamos as defesas.

Jesus optou por não Se defender; a força do amor está na misericórdia.

O pão que Jesus oferece a Judas é sinal de amizade, de confiança, de intimidade. Jesus age com Judas (e connosco) como o melhor dos amigos. Ele mantém-Se fiél, apesar das traições. Não retira nunca a sua confiança.


Senhor, ajuda-me

a acreditar no amor

apesar das ofensas,

apesar dos enganos,

apesar das recusas.

In Rezar na Quaresma – Ano B, pp. 84-85, Edições Salesianas.

Monday, April 02, 2012

Semana Santa - Segunda-feira - Aos pés de Jesus


“… ungiu os pés de Jesus e enxugou-lhos…” (Jo 12,1-11)

Beleza e ternura. Este é o único gesto de amor que Jesus vai receber na semana final da sua vida.

Naquele, tempo, como hoje, tudo é calculado, medido. Gestos como este de Maria são cada vez mais raros. Maria ama Jesus e o amor não contabiliza aquilo que dá, não faz orçamentos, não programa estratégias: o amor entrega-se.

O amor de Maria sabe perceber a ocasião para fazer a diferença.

Senhor Jesus, é estando aos teus pés

que eu aprendo os gesto do amor autêntico.

Ensina-me a não ter medo de perder tempo

servindo os outros.

In Rezar na Quaresma – Ano B, p. 82, Edições Salesianas.

Sunday, April 01, 2012

Domingo de Ramos - Todos o abandonaram!


“Então todos O abandonaram, fugindo.” (Mc 14,1-15,47)


Judas prefere os seus esquemas de poder e as trinta moedas.

Pedro, armado em grande herói, mete o rqabinho estre as pernas.

Pilatos prefere agradar à multidão.

A multidão, que tanto apaludira Jesus, agora exige a sua morte.

Mas algumas mulheres fazem a diferença. Contra a força dos números, esquecendo a sua própria segurança, mantêm-se fiéis ao amor.


Olho para Ti e vejo-Te nu e sozinho.

Abandonado pelos amigos,

perseguido pelos poderosos, torturado…

traído também por mim…

manténs-Te fiél à tua condição

de Filho amado pelo Pai,

fiél à tua missão de nos dares a vida nova.

O teu amor torna-se palpável na tua cruz.

In Rezar na Quaresma – Ano B, p. 81, Edições Salesianas.